.posts recentes

. DOENÇAS E PRAGAS

. HIDROCULTURA

. PLANTAS DE BARRICA NO INV...

. DAR FORMA ÀS PLANTAS

. UM TEMA DELICADO: A REGA ...

. O SOLO APROPRIADO

. RECIPIENTES PARA PLANTAS ...

. VASOS, CAIXAS E BARRICAS

. PLANTAS DE VARANDA E DE T...

. PLANTAS NA COZINHA E NO P...

.arquivos

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Segunda-feira, 23 de Março de 2009

O LUGAR DA JANELA NORTE

   Contra uma opinião generalizada, para a maioria das plantas a forte radiação solar da parte sul não é especialmente benéfica. Existe um grande número de gêneros e classes que precisa de um lugar com luz mais fraca e que se desenvolve magnificamente numa janela voltada para o norte ou num espeço escuro.

 

 

(Até mesmo a Iúca robusta, que na realidade prefere locais mais iluminados, pode fazer sucesso nos cantos mais escuros)

 

   Numa divisão voltada para o norte, há que levar em consideração que os vegetais dispostos no parapeito da janela, na mesa ou na prateleira devem estar voltados diretamente para a janela. Se forem colocados demasiado longe da janela, no meio da divisão, a falta de luz dificulta o seu desenvolvimento saudável, pois é como se fosse praticamente noite. Evidentemente, a janela pela qual irrompe a luz branda e deprimente do norte não deve, em caso algum, ser "escurecida" por cortinados espessos. Os estores e as persianas tornan-se, portanto, desnecessários. Além disso, a pouca luz que apenas penetra nas divisões escuras de manhã ou à tardinha ou que não existe de todo, não deve ser ainda mais reduzida pelo excesso de plantas dispostas no parapeito, sobretudo de plantas altas.Essas podem desenvolver-se bem nesses lugares, mas acabam por escurecer o restante da divisão. A melhor solução será por optar por uma única e elegante planta de flor, pouco exuberante, Esse vegetal deverá necessitar de pouca luz e ser colocado perto da janela numa mesa para flores, num aparador ou numa cômoda elevados a condizer com a restante decoração, Deverá ainda possuir uma beleza de formas que enriqueça não só a janela, mas também toda a divisão.

 

 

( plantas individuais enfeitam a janela norte, permitindo, no entanto, que entre luz suficiente na divisão)

 

   Das inúmeras plantas que se adaptam a lugares em espaços pouco favorecidos pela luz, apenas a Chamaedorea elegans é uma mostra graciosa que adora a luz média e se desenvolve melhor em lugares um pouco elevados, em cima de uma mesa pra flores ou de um pilar, desviada da janela; de resto não deve estar exposta ao ar demasiadamente seco.

   Se espaço pouco claro for suficientemente grande, deixe que as costelas-de-adão desdobre as suas folhas imponemtes, profundadas e recortadas, Em todo caso essa planta no verão deve ser borrifada com mais frequência, pode atingir mais de 5 metros de altura. Se estiver a braços com um exemplar tão impetuoso como este, o mobiliário próxima da planta deve ser o mais simples possível, para que esta possa jogar totalmente com todo com todo o seu encanto de forma e estrutura.

   É sem grandes exigências de luz e claridade que a diefenbáquia desenvolve as sua graciosas foolhas. As espécies verdes sentem uma menor necessidade de luz do que as espécies brancas, Esta planta consegue desenvolver-se bem mesmo ao fundo de uma divisão. De fato, ela não aprecia o aquecimento e, por isso, deve ser borrifada regularmente.

   Com alguma sorte, esta planta pode até dar flor. As folhas vigorosas e ensiformes da língua-de-sogra, exibindo um rigor nas formas, combinam perfeitamente numa sala de estar moderna, sobretudo se a planta estiver colocada num vaso ornamental interessante. É uma planta previsilmente simples e também cresce no interior. Não é sensível ao ar seco, tem que ser regada com moderação e não sofre com a falta de luz, apesar de preferir locais luminosos.

 

 

(Mesmo colocadas em lugares que oferecem  as piores condições de luz, determinadas plantas conseguem desenvolver-se bem quando são cuidadosamente tratadas)

 

 

( Observar a forma como a "juventude" se propaga é sempre um acontecimentopara os apreciadores de plantas. As plântulas que brotam das folhas limitam-se a cair)

 

   Quem também deseja ter plantas ornamentais em divisões pouco favorecidas pela luz do dia, pode aproveitar ainda uma outra dimensão e optar por trepadeiras ou plantas pendentes. Quando o seu verde dá vida à divisão a partir dos seus locais elevados_ quer seja em cima de um cesto suspenso, de um pilar, de uma borda ou de uma estante_ elas revelam uma aparência magnífica. É o caso , por exemplo da falsa hera da Cidade do Cabo, que desenvolve um exuberante aparato de folhas e que também se desenvolve nos cantos com luz média. Estas condições aplicam-se igualmente à popular Epipremnum pinnatum. Uma bpn-vivant com uma personalidade especial, a hera possui pequenas formas que se contentam com cantos relativamente escuros, sobretudo tratando-se das variedades verdes. Com efeito, no inverno a temperatura não deverá ser demasiado elevada; a hera já não suporta temperaturas superiores a 15º_ 16º C. Coloque-a no corredor ou no vão da escada. Uma outra manifestação graciosa, também vista de baixo é o clorófito, com suas folhas abundantes às riscas verdes e brancas e flores elegantes. O clorófito também se desenvolve sem problemas longe da janela, propagando-se facilmente através dos lançamentos laterais.

 

 

( espadas-de-são-jorge e a falsa hera australiana resultam melho num lugar um pouco elevado, de onde possam deixar pender os seus vistosos rebentos à vontade)

 

 

   Entre as plantas de folha que suportam a luz fraca, encontra-se a juventude, ma planta singular que produz um efeito particularmente interessante num cesto suspenso. Também conhecida como "galinha com pintainhos", ela gera a sua descendência diretamente a partir das folhas. As plântulas simplesmente deixam-se cair assim que atingem a fase de maturação. É uma planta que necessita de muito ar fresco. No inverno, prefere um ambiente frio, e por isso deve ser levada para o vão da escada.

   Alguns fetos produzem um efeito singular em locais elevados. De fato, o fet-chifres-de-veado, com suas folhas bizarras, não deve estar muito afastado de uma fonte de luz, enquanto que o Polypodium vulgare, apesar de se contentar com pouca luz, também se sente melhor num local meio fresco durante o inverno 10º_12ºC, como é também o caso da Phyllitis scolopendrium.

   Entre as plantas ornamentais com inflorescência, existem algumas cujo corpo dde flores se desdobra até mesmo em locais com pouca claridade. Além da popular violeta-africana, que também floresce abundantemente na mesa de jantar ou num aparador, existe o encantador gênero ophiopogon; essa lilácea ostenta não só folhas longas e semelhantes à erva como, no verão decorativas flores em cachos pendentes.

   As plantas de folhagem verde adaptam-se melhor a espaços com pouca claridade do que as plantas com folhas claras, que têm de ser borrifadas com mais frequência. O gênero ophiopogon deve passar o inverno numa divisão não aquecida.

   Do corpo de folhas exuberante da velas-brancas, mesmo quando colocada a 2 ou 3 metros de distância da janela, surgem as enormes espatas brancas semelhantes a flores. Num local mais elevado, a planta, que se adapta melhor à hidrocultura, tem uma aparência bastante decorativa.

 

 

 

( É possível colocar plantas mesmo em divisões onde seria  necessário proteger a janela através de persianas ou estores )

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por Mel às 18:22

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.relógio

. visitas


contador de visitas

.Bipolaridade

http://odiaadiadabipolaridade.blogs.sapo.pt/

.Dicas para donas de casa

http://donadacasa.blogs.sapo.pt/

.Coisas de gatos

http://minhasgatas.blogs.sapo.pt/

.Aquários e peixes

http://terapiadaaquarofilia.blogs.sapo.pt/

.Artesanato

http://vamosfazerarrte.blogs.sapo.pt/