.posts recentes

. DOENÇAS E PRAGAS

. HIDROCULTURA

. PLANTAS DE BARRICA NO INV...

. DAR FORMA ÀS PLANTAS

. UM TEMA DELICADO: A REGA ...

. O SOLO APROPRIADO

. RECIPIENTES PARA PLANTAS ...

. VASOS, CAIXAS E BARRICAS

. PLANTAS DE VARANDA E DE T...

. PLANTAS NA COZINHA E NO P...

.arquivos

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Terça-feira, 14 de Abril de 2009

CONDIÇÕES DE LUZ

   Quanto maior for o espaço, mais atrativa e única pode ser a sua decoração com plantas. E se houver ainda uma fachada de janela ou janela grandes de ambos os lados do espaço que permitam que a luz entre à vontade, é possível dar largas à imaginação.

 

 

 

 

   Antes de equipar uma divisão com plantas, tome em consideração que a claridade que existe perto da janela_sobretudo se esta tiver uma cortina_ é muito  atenuada, mesmo que isso não seja perceptível a um primeiro olhar.

   Por isso, à direita e à esquerda da janela de uma sala-de-jantar ou de uma sala-de-estar, será melhor colocar plantas que se desenvolvem em áreas com luz média, como por exemplo uma espadas-de-são-jorge num estrado ou uma Scheffera, com as formas graciosas de suas folhas. Mas também é possível colocar várias violetas-africanas num só cesto nos locais poucos favorecidos pela luz, como chamariz.

 

  

( Quem se orgulha de possuir estes exemplares faustosos, deve utilizar um vaso cuidadosamente escolhido para criar uma impressão geral perfeita)

 

   Importa saber que a claridade de uma divisão diminui rapidamente. Assim, não se devem colocar longe da janela as plantas adaptadas a lugares com luz solar e com claridade do dia. Na mesa da sala-de-jantar ou da sala-de-estar não deve haver, portanto, nenhuma gloxínia ou prímula em flor, nem nenhuma flor-da-quaresma ou a folha-da-fortuna impetuosa, por muito gracioso que seja o efeito criado. Estas plantas podiam dar-se mal com a falta de luz permanente. Menos necessitadas de luz e, por isso mesmo, adaptadas a uma cômoda ou local de refeições algo afastadas da janela, são as já referidas violetas-africanas ou uma Primula vulgaris.

 

 

 

 

 

( Estas plantas gostam da iluminação discreta à sua essência e fazem um elegante efeito ao ambiente)

 

 

   Se não houver um parapeito de janela amplo, as plantas ornamentais de crescimento exuberante adaptam-se a qualquer lugar da divisão. Próximas de uma bela peça de mobiliário, de um candeeiro singular, de uma parede branca ou acompanhadas de outros adereços, são capazes de revelar uma aparência particularmente decorativa; a beleza de sua forma ou estrutura torna-se especialmente evidente num local exposto. Assim que são afastadas da janela cerca de 1 a 2 metros, estas gigantes que fazem parte ds plantas ornamentais (são quase árvores) têm de suportar totalmente a luz fraca.

   Entre as plantas grandes que têm uma elevada necessidade de luz, contam-se as esparmanias, parentes da árvore-da-borracha, as arálias-elegantíssimas, a Cycas revoluta ou ainda as Radermachera sinica. Devem, por isso, estar à janela e dispor de tanto espaço quanto possível em seu redor.

   Entre as plantas de grande por te que suportam a luz fraca, contam-se as compridas Howeia, as falsas-heras ou a vinha-hera , a Chamaedorea elegans ea costelas-de-adão, com suas típicas folhas gigantes. O dragoeiro também pode atingir alturas consideráveis, suportando moderadamente a luz fraca.

 

 

 

 

   Caso estas plantas, quase denominadas de árvores ornamentais de interiores, atinjam a fronteira que coloca o seu de extensão à altura do teto ou de uma peça de mobiliário em muitos casos pode-se fazer-se o uso de uma tesoura de poda. Esta é uma tarefa fácil quando se fala da esparmania; a partir dos rebentos cortados, é possível cultivar novas plantas. Também é possível trabalhar a ramagem da costela-de-adão e da Radermachera sinica, a bela planta oriunda da China. Quando se trata de palmeiras que atingem grandes alturas, a solução já não passa por cortar. Nestes casos, deve-se providenciar atempadamente uma solução, colocando a planta num recipiente pequeno, depois do reenvasamento, e cortando ainda algumas raízes.

   Por muito que as plantas ornamentais verdes e florescentes em nossas casas aumentem também a qualidade de vida, não é aconselhável colocá-las ao acaso no parapeito da janela nem pela divisão, por vezes, a quantidade não tem qualquer significado. Uma planta de folhas especialmente decorativa precisa de espaço suficiente para sobressair, assim como uma planta de flores atrativas só poderá ostentar todo seu fascínio se estiver isolada. É o caso, por exemplo, de uma beleza tão nobre como é a gardênia (outras plantas, como por exemplo a prímula ou a violeta-africana, só mostram todo o seu charme quando inseridas num todo) em quantidade excessiva essas plantas seriam prejudicadas não só na sua impressão geral, mas também na sua satisfação. Além disso, a plenitude do amante de palntas poderia tornar-se rapidamente num fardo.

 

 

 

 

( tal como muitas outras plantas de porte robustas, também o gênero ficus é capaz de suportar um corte radical quando ameaça ultrapassar as fronteiras do espaço que lhe é destinado)

 

 


publicado por Mel às 22:08

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.relógio

. visitas


contador de visitas

.Bipolaridade

http://odiaadiadabipolaridade.blogs.sapo.pt/

.Dicas para donas de casa

http://donadacasa.blogs.sapo.pt/

.Coisas de gatos

http://minhasgatas.blogs.sapo.pt/

.Aquários e peixes

http://terapiadaaquarofilia.blogs.sapo.pt/

.Artesanato

http://vamosfazerarrte.blogs.sapo.pt/